Cruzada das Mulheres Portuguesas

Coord.: Luís Sá; Manuela Rêgo; Textos: Isabel Lousada [<em>et al.</em>]; ;

BNP

1

2016

pt

9789725655757

iLEIO (browser para PCs e APP gratuita para sistema Android)


capa mole
25,52 €

A Cruzada das Mulheres Portuguesas (CMP), inspirada em La Croisade des Femmes Françaises, foi fundada a 20 de março de 1916 por um grupo de 80 mulheres, em que se incluíam Elzira Dantas Machado, mulher do presidente da República, Bernardino Machado, Ana de Castro Osório, Ana Augusta de Castilho, Antónia Bermudes e Maria Benedita Mouzinho de Albuquerque Pinto. A CMP foi a herdeira da Comissão Feminina «Pela Pátria» (1914), que tinha como objetivo prestar assistência aos lesados da Grande Guerra.
A CMP não se ficou pelas campanhas de recolha de donativos, pela confeção e distribuição de bens e agasalhos aos mais carenciados e pelo apoio aos soldados. Desenvolveu a sua ação através de comissões (Propaganda, Enfermagem e Assistência aos Militares Mobilizados), promoveu a organização de cursos destinados a preparar enfermeiras e a criação de um hospital, o qual, instalado no antigo convento de Arroios, sob a presidência de Ester Norton de Matos, visava a reinserção dos mutilados regressados da frente de batalha.
A CMP impulsionou também a criação de inúmeros estabelecimentos, tendo em vista quer o desenvolvimento das capacidades profissionais, quer o acolhimento aos mais desfavorecidos, nomeadamente a casa de trabalho em Xabregas, e promoveu a abertura de creches, escolas e orfanatos.
Criou ainda, em França, o Hospital Militar Português em Hendaia.
Esta obra é composta por três partes: um conjunto de estudos da autoria de Isabel Lousada, Maria Lúcia de Brito Moura, Natividade Monteiro e João José Alves Dias; um catálogo, que tem por base a documentação enviada para a Biblioteca Nacional, em 1917, pela Comissão Feminina «Pela Pátria», destinada ao projetado Museu de Guerra; e uma antologia de textos de Albino Forjaz de Sampaio, Ana de Castro Osório, Leal da Câmara e outros, publicados na imprensa da época sobre a Aldeia Portuguesa, um projeto idealizado por Leal da Câmara, em colaboração com Teixeira Lopes, que visava construir na Flandres um local que perpetuasse a memória dos portugueses que intervieram na Grande Guerra e onde pudessem ser enterrados os soldados mortos.
Índice não disponível.
Assunto não disponível.
Licença Impressão
Acesso Perpétuo 19 paginas a cada 30 dias
Aluguer nao permitido

Leitura online: um utilizador por sessão (sem simultaneidade)
Leitura offline (com a APP): máximo de 2 dispositivos em simultâneo